Meio Ambiente

CONSULTA PÚBLICA PARA CRIAÇÃO DE APA E REVIS DE ARARINHA-AZUL CONTOU COM PARTICIPAÇÃO DA CEMAFAUNA

O Centro de Conservação e Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna), da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), a convite da Camile Lugarini, responsável pelo Plano de Ação Nacional para Conservação da Ararinha-azul, é um dos parceiros do ‘Projeto Ararinha na Natureza’ do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). Representantes do coordenador do Centro, o professor Luiz Cezar Pereira, participaram das consultas públicas para a criação da Área de Proteção Ambiental (APA) e do Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha-azul (Revis) nos dias 29 e 31 de julho, respectivamente, em Juazeiro e Curaçá-BA.

No ano passado, os ornitólogos Karlla Rios e Paulo de Tarso Sambugaro participaram da Expedição ‘Em busca da Ararinha-azul’ liderada pela SAVE Brasil e ICMBio, com o objetivo de reencontrar o indivíduo de ararinha-azul na região de Curaçá, interior da Bahia, berço da espécie, onde foram feitos registros por vídeos de autoria de Lourdes Oliveira e de sua filha Damilys Oliveira.

Neste ano, todos os esforços estão voltados para a criação da Área de Proteção Ambiental e do Refúgio de Vida Silvestre da Ararinha-azul, ambos unidades de conservação. Segundo informações do ICMBio, as consultas aconteceram com o intuito de  informar à comunidade sobre a definição, localização e dimensão dos limites dessas áreas, além de explanar sobre as implicações para a população que mora dentro e nas proximidades da APA e do Revis.

“Os benefícios de se estabelecer essas unidades de conservação são inúmeros, dentre eles, garantir que a Caatinga seja preservada, principalmente fragmentos de mata ciliar e savana estépica já que são as áreas que promovem o ciclo de vida da ararinha-azul”, afirmou o biólogo Paulo de Tarso.

Curaçá e Juazeiro apresentam uma vegetação de savana estépica parque, a qual aparece bem pouco representada nas áreas protegidas da Caatinga. Além disso, foram área de ocorrência da ararinha-azul antes de sua extinção, principalmente, devido ao intenso tráfico de animais silvestres. De acordo com a IUCN Red List, a ararinha-azul é considerada extinta na natureza desde o ano de 2000, devido, principalmente, à captura para o comércio ilegal e perda de hábitat. Atualmente, existem mais de 150 indivíduos da espécie em cativeiro, em projetos de reprodução no Catar, na Alemanha, na Suíça e no Brasil. Os pesquisadores estão otimistas e preveem as primeiras solturas de alguns indivíduos da espécie no ano de 2019.

O coordenador do Cemafauna, Luiz Cezar Pereira, ressalta a importância de o Centro participar desse processo. “Nós estamos como apoio logístico e de recursos humanos ao enviarmos biólogos especialistas em aves para acompanharem tudo isso. Para que no futuro possamos ver novamente a ararinha-azul em abundância na natureza, precisamos trabalhar de maneira intensa hoje pelo seu ciclo de vida e combater o tráfico de animais silvestres através também de ações de cunho educativo, em parceria com os órgãos fiscalizadores e envolvidos com o meio ambiente como ICMBio, IBAMA, Ministério Público,  entre outros.”, disse Pereira.

Texto: Jaquelyne Costa/Ascom Cemafauna

Previous post

DEPUTADO ROBERTO CARLOS REITERA SOLICITAÇÃO DE OBRA DE URBANISMO EM DIVERSAS CIDADES DO ESTADO

Next post

INSCRIÇÕES PARA 2º FASE DAS OLIMPÍADAS ESTUDANTIS DE PETROLINA COMEÇAM NA PRÓXIMA SEMANA

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image