Eleições 2014Pesquisa

BOLSONARO LIDERA PESQUISA DO DATAFOLHA NUM CENÁRIO SEM LULA

Marina, Ciro e Alckmim embolam em 2º lugar, diz Datafolha

Se a eleição presidencial fosse hoje, a disputa teria Jair Bolsonaro (PSC) na liderança, pontuando de 16% a 20% a depender da combinação de cenários. Entre os candidatos tradicionais e já com partido definido, o 2º lugar ficaria embolado entre Marina Silva (Rede), Ciro Gomes (PDT) e Geraldo Alckmin (PSDB).

Quando são incluídos nomes de pré-candidatos ainda não filiados a partidos, entra na lista de segundos colocados o empresário e apresentador da TV Globo Luciano Huck, que tem de 5% a 8%.

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está quase fora da corrida presidencial por ter sido condenado em 2ª Instância a 12 anos e 1 mês de prisão, lideraria a disputa caso pudesse ficar no páreo. O petista tem de 34% a 37%, percentuais semelhantes ao que têm em outras pesquisas realizadas antes da sentença que recebeu do Tribunal Regional Federal da 4ª Região no último dia 24 de janeiro de 2018.

Esses são os resultados principais da pesquisa Datafolha realizada nos dias 29 e 30 de janeiro em 174 cidades com 2.826 pessoas. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Eis 1 quadro com os percentuais máximos e mínimos alcançados por todos os candidato testados pelo Datafolha. Os nomes estão em ordem alfabética. Para reordenar pelos percentuais, clique em “% mínimo” ou “% máximo”:

É interessante que o Datafolha tenha feito testes com 9 cenários diferentes –uma enormidade nesse tipo de pesquisa, pois o entrevistado fica cansado e tende a se desinteressar ao longo das respostas–, mas ainda há algumas situações que ficaram de fora. Isso é demonstração de como há uma miríade de nomes e hoje seria impossível verificar todas as dezenas de combinações.

Por exemplo, no caso do PT sem Lula, o Datafolha texto como nome alternativo Jaques Wagner, que foi deputado federal e governador da Bahia. O político que nasceu no Rio de Janeiro e fez carreira entre os eleitores baianos tem 2% das intenções de voto.

Não foi testado o nome do ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, também cogitado para ser o substituto de Lula na disputa presidencial.

Outra ausência importante na pesquisa Datafolha é 1 cenário apenas com os políticos profissionais, disputando o Planalto entre si. Não há, por exemplo, 1 cenário no qual são testados Bolsonaro, Marina, Ciro Gomes, Alckmin e algum nome do PT.

O que há de mais próximo disso é o cenário apresentado com o número 7 pelo Datafolha. Mas há ali uma distorção grande porque está ali também o nome de Luciano Huck –que pontua 8% e empata com Alckmin.

É possível inferir que os 8% de Huck se dividiriam 1 pouco entre os nomes do topo da tabela. Mas essa é uma especulação apenas, pois o Datafolha não fez esse teste.

O que haveria de mais próximo ao cenário só de nomes “profissionais da política”seria a cartela número 8 do Datafolha. O problema nessa simulação é que o nome do PSDB é o do prefeito de São Paulo, João Doria –cuja candidatura a presidente é incerta; ele deve, na realidade, concorrer a governador de São Paulo.

Doria pontua 5% no cenário número 8. Não tem contra si nenhum dos tais“outsiders” da política, como Luciano Huck e Joaquim Barbosa. E ainda assim o desempenho do prefeito de São Paulo fica atrás do obtido por Geraldo Alckmin.

O cenário 8 do Datafolha tem uma utilidade: mostra que o prefeito de São Paulo não ganhou tração no plano nacional a ponto de convencer o PSDB de que seria o nome mais competitivo na disputa. Hoje, o tucano que ocupa essa posição é Alckmin.

O Datafolha também testou alguns cenários que dificilmente vão se consubstanciar mais adiante quando os candidatos forem registrados oficialmente na Justiça Eleitoral.

O cenário número 5 inclui o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa, que marca 5%. Mas nessa lista de candidatos não está a pré-candidata da Rede, Marina Silva –e isso distorce os resultados.

Já no cenário 6, o Datafolha apenas retira o nome de Marina Silva e deixa os demais profissionais da política. Ao mesmo tempo, inclui o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, que é filiado ao PSD, do ministro das Comunicações, Gilberto Kassab. Nessa combinação, Meirelles aparece com 2%. O tucano Alckmin tem seu melhor desempenho, com 11%, colado em Ciro (com 13%)
o seu melhor desempenho.

CENÁRIOS COM LULA

Apesar ser praticamente impossível que Luiz Inácio Lula da Silva consiga disputar –porque pode ser preso ou porque será barrado pela Lei da Ficha Limpa–, o Datafolha testou 5 dos seus 9 cenários com o nome do petista.

Lula tem de 34% a 37%, percentuais não muito diferentes do que registrou em pesquisas anteriores, de vários institutos.

O mais notável a ser dito sobre a presença de Lula é que sua capacidade de transferir votos permaneceu inalterada em relação ao período anterior, quando ainda não estava condenado em 2ª Instância.

Essa habilidade transferir votos é o indicador mais relevante neste momento, uma vez que é real a possibilidade de Lula ficar fora da corrida pelo Planalto. Como se observa no quadro do Datafolha, é grande a rejeição a 1 possível nome ungido pelo ex-presidente: 53%.

SIMULAÇÃO DE 2ª TURNO

O Datafolha testou 6 possíveis disputas de 2º turno. No Brasil, quando nenhum candidato obtém pelo menos 50% mais 1 dos votos válidos, os 2 mais bem votados se enfrentam numa rodada final.

Nos 3 cenários em que Lula é testado em 2º turno, o petista ganha com folga dos seus adversários na pesquisa Datafolha: 49% a 30% contra Alckmin; 47% a 32% contra Marina e 49% a 32% contra Bolsonaro.

Nas outras 3 simulações sem Lula no 2º turno o Datafolha encontrou o seguinte:

  • Alckmin 34% X 32% Ciro Gomes
  • Marina 42% X 32% Bolsonaro
  • Alckmin 35% X 33% Bolsonaro

REJEIÇÃO

Segundo o Datafolha, o nome hoje mais rejeitado numa eventual disputa pelo Planalto é o do atual presidente, Michel Temer. De acordo com a pesquisa, 60% dizem que não votariam no emedebista de jeito nenhum.

Lula é rejeitado por 40%. O ex-presidente Fernando Collor (PTC), que anunciou sua pré-candidatura, é rejeitado por 44%.

Bolsonaro tem uma taxa de rejeição de 29%. Marina fica com 23% e Ciro Gomes com 21%.

CONDENAÇÃO DE LULA

condenação do ex-presidente a 12 anos e 1 mês de prisão pelo TRF-4 (Tribunal Regional Federal) pode torná-lo inelegível, mas sua participação na campanha depende de uma decisão do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) que só deve ocorrer em setembro. Até lá, ele pode se apresentar como pré-candidato e recorrer a tribunais superiores para garantir seu nome na disputa.

Caso tenha sua candidatura seja barrada na Justiça, os principais beneficiados no cenário eleitoral seriam a ex-senadora Marina Silva, que passa de 8% para 13% de intenções de voto e Ciro que cresce de 6% para 10%. Outros candidatos também crescem quando Lula está fora do páreo, mas de forma mais tímida: tanto Geraldo Alckmin quanto Luciano Huck sobem de 6% para 8%.

Porém, sem Lula, o percentual de eleitores que diz não saber em quem votar ou que votaria em branco ou nulo sobe de 16% para 28%.

O Datafolha testou o nome do ex-governador baiano Jaques Wagner como 1 dos possíveis substitutos de Lula pelo PT. Ele aparece com 2% de intenções de voto na pesquisa.

GERALDO ALCKMIN

Favorito para se candidatar à Presidência pelo PSDB, Alckmin patina em todos os cenários testados. O governador de São Paulo tem de 6% a 11% das intenções de voto.

No 2º turno, Alckmin seria derrotado por Lula e aparece tecnicamente empatado em uma disputa com Ciro Gomes. Nesta 2ª simulação, quase 1 terço dos eleitores diz que votaria em branco ou nulo.

O governador paulista vem sofrendo problemas dentro do próprio partido para viabilizar sua candidatura. Uma potencial alternativa Alckmin seria o prefeito paulistano João Doria, que também não decolou: aparece com, no máximo, 5% das intenções de voto.

Previous post

BARRAGEM DE SOBRADINHO RECEBE BOM VOLUME DE ÁGUAS E SOBE PARA 13,67% DO VOLUME ÚTIL

Next post

BOA NOITE

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Enter Captcha Here : *

Reload Image