ÁguaEconomiaMeio Ambiente

CONDIÇÃO ATUALIZADA DOS RESERVATÓRIOS E GERAÇÃO DE ENERGIA DO SISTEMA NACIONAL

por Alexandre Nascimento

Neste ano choveu, não dá para dizer que não choveu. No entanto, o sistema nacional de energia elétrica do país continua muito deficitário em relação à normalidade.

Observe o Nordeste, por exemplo. Fechamos fevereiro deste ano melhor do que 2017, mas a situação está bem longe de confortável (25,4% em 28/02/2018 contra 20,8% em 28/02/2017).

NORDESTE

 

Em se tratando de Sudeste, estamos gerando bem mais energia hidrelétrica do que em 2017. Em média, tivemos em dezembro de 2017 95% de energia natural afluente (ENA) contra 67% em dezembro e 2016. Depois tivemos 96% de ENA em janeiro de 2018, contra 69% em janeiro de 2017 e finalmente 83% em fevereiro de 2018, contra 71% em fevereiro de 2017 (ONS). Ou seja, gerou-se bem mais energia hidrelétrica no subsistema Sudeste/C.Oeste neste período úmido do que no anterior. Mas por que os reservatórios desse subsistema estão, em média, piores do que no período anterior?

A resposta é porque choveu sim, mas nos lugares errados, na maior parte do tempo.

Em dezembro de 2017 e em janeiro de 2018 choveu bastante nas Bacias do Paranapanema e do Tietê e nas áreas mais sul da Bacia do Paraná, conforme podemos verificar nos mapas abaixo.

 

chuva_mensal_anomalia_201712_br

 

chuva_mensal_anomalia_201801_br

 

chuva_mensal_anomalia_201802_br

Já em fevereiro de 2018, a chuva mais forte caiu sobre as Bacias do Doce, do Jequitinhonha e do Paraíba do Sul. Ou seja, choveu, mas não foi muito (bem menos do que o normal), nas principais bacias do Sudeste/C.Oeste responsáveis pelo maior armazenamento de água: as Bacias do Grande e do Paranaíba, situadas entre o norte do estado de São Paulo, sul de Minas, Triângulo Mineiro e sul de Goiás. Essas duas Bacias juntas correspondem a 64% do que o subsistema Sudeste/C.Oeste pode armazenar em água (energia) – Fonte ONS.

Segundo dados da ONS, no dia primeiro de março o Grande estava com apenas 35% de sua capacidade total e o Paranaíba com apenas 33%. Se compararmos o subsistema sudeste todo, fechamos o mês de janeiro de 2018 com apenas 31,3% do armazenamento total (37,4% em 31/01/2017) e o mês de fevereiro com 36,3% em 2018 (contra 40,2% em 2017). É bem provável que, no final do período úmido, estejamos com valores parecidos a 2017 – em torno de 45%.

SUDESTE

 

Os demais subsistemas do país, não dão nenhuma garantia de que o ano será fácil.

Os subsistemas Norte e Sul estão melhores que no ano passado. O Sul, em relação a armazenamento, é muito pequeno devido à grande quantidade de usinas fio d’água, ou seja, sem armazenamento. Já o Norte está bem melhor e esse foi o grande ponto positivo deste ano. Depois da chuvarada de fevereiro Tucuruí encheu e está inclusive jogando água fora (vertendo). O subsistema Norte fechou fevereiro com 62,2%, contra 47,4% em fevereiro de 2017.

NORTE

 

SUL

FONTE DE DADOS: ONS

Previous post

VEÍCULOS BRASILEIROS TERÃO QUE USAR PLACA PADRÃO DO MERCOSUL

Next post

NATAL, CAPITAL DO RIO GRANDE DO NORTE ESTÁ ENTRE AS CIDADES MAIS VIOLENTAS DO PLANETA

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.