PesquisaPolítica

NÚMERO DE DEPUTADOS DE MDB, PT E PSDB RETROCEDE A NÍVEL DE 20 ANOS ATRÁS

MDB TEM A MENOR BANCADA DESDE SUA FUNDAÇÃO

Protagonistas no cenário nacional, MDB, PSDB e PT sofreram 1 encolhimento visível no tamanho de suas bancadas na Câmara. Apresentam números similares ou mesmo mais baixos aos de duas décadas atrás. O MDB é o caso mais evidente. Atualmente, a bancada tem 51 deputados, a menor desde que foi fundado, em 1965.

Em 1982, na 1ª eleição em que participou sob o nome de PMDB, a sigla chegou a eleger 200 deputados. No pleito seguinte, em 1986, conquistou 260 cadeiras. Os dados consideram os números resultantes das eleições. A queda ocorre no momento em que 1 emedebista –Michel Temer– ocupa a Presidência da República.

PT e PSDB conseguiram levar para a Câmara a popularidade de seus presidentes.

No governo de Fernando Henrique Cardoso, o PSDB passou de 63 deputados em 1994 para 99 em 1998 –aumento de 57%.

De lá para cá, o partido tem sofrido sucessivas quedas e ocupa o 4º lugar em tamanho, com 49 cadeiras. A legenda só registrou 1 número menor em sua 1ª eleição, em 1990.

Já o PT registra uma bancada tão enxuta quanto a de 20 anos atrás. Em 1998, elegeu 59 deputados. Hoje, tem 60.

Nesse intervalo, a sigla sofreu altos e baixos. Em 2002, ano em que Lula foi eleito para o Planalto pela 1ª vez, a legenda conquistou 91 assentos na Câmara.

Manteve-se com 1 número estável até 2010. O declínio do governo de Dilma Rousseff e escândalos envolvendo integrantes causaram o encolhimento da sigla. Perdeu 26 deputados nos últimos 8 anos.

Mesmo com as reduções, PT, MDB e PSDB constituem 3 das 4 maiores bancadas da Casa. Também seguem na liderança do número de filiados.

Uma explicação é a pulverização de partidos: há 25 legendas com deputados federais. É mais do que o registrado em praticamente todos os anos de eleição. A exceção é 2014, quando 28 siglas elegeram pelo menos 1 representante.

DEM EM ALTA

Em 1986, ainda sob o nome de PFL, o DEM elegeu uma bancada de 118 deputados. No período de 1998 a 2014, no entanto, registrou uma forte derrocada, perdendo uma média de 20 cadeiras na Câmara a cada pleito. Saiu das eleições passadas com apenas 21 deputados.

Quatro anos depois, o partido se recuperou e tem a 5ª maior bancada da Câmara, com 43 deputados.

Durante convenção da sigla, em março, o pré-candidato do DEM ao Planalto, Rodrigo Maia (RJ), lembrou de quando o ex-presidente Lula afirmou que o DEM chegaria ao fim. E comemorou o retorno do crescimento da legenda.

PSL E PODEMOS

São 7 os partidos com candidatos que pontuam mais de 5% de intenção de votos, de acordo com pesquisa divulgada neste sábado pelo Poder360: PT (Lula ou indicado), PSL (Jair Bolsonaro), PSB (Joaquim Barbosa), PDT (Ciro Gomes), Rede (Marina Silva), Podemos (Alvaro Dias) e PSDB (Geraldo Alckmin).

Destes, apenas 2 –Podemos e PSL– apresentaram crescimento nos últimos anos.

A sigla de Alvaro Dias mais que quadruplicou desde o pleito passado. Ganhou 13 cadeiras.

O PSL tem apenas a 16ª maior bancada da Câmara. Mesmo assim, saiu de 1 deputado em 2014 para 8 após a janela –aumento de 700%.

O que mais perdeu proporcionalmente foi o PSB. A legenda encolheu 23,5%. O principal motivo é a aproximação com partidos de esquerda, o que causou o afastamento de congressistas mais ligados à pauta liberal.

A mais prejudicada, no entanto, é a pré-candidata da Rede, Marina Silva. A sigla perdeu metade de seus 4 deputados neste ano.

Com duas cadeiras na Câmara e uma no Senado, a Rede não terá a garantia de participação nos debates eleitorais.

A lei eleitoral determina que apenas partidos com, no mínimo, 5 vagas no Congresso podem exigir a presença nos debates.

BANCADAS DA CÂMARA

As bancadas das legendas sofreram alterações recentes devido à janela partidária –intervalo em que deputados podem trocar de sigla sem o risco de perder seus mandatos. O período foi de 7 de março a 6 de abril.

Como não há prazo para os deputados comunicarem as mudanças no sistema da Câmara, nem todas as trocas constam no site da Casa.

O Poder360 consultou líderes partidários e bateu as informações com dados divulgados nesta semana pelo TSE. Chegou ao seguinte resultado:

Mesmo com o fim da janela, o tamanho das bancadas não é imutável. Deputados podem deixar seus assentos para ocupar outros cargos, se afastar por motivos de saúde e mesmo trocar de partidos caso sofram discriminação, por exemplo.

O número de deputados de uma sigla é determinante para as pretensões eleitorais porque impacta diretamente em 2 fatores: 1) tempo de rádio e TV para a propaganda eleitoral e 2) fatia que será recebida do fundo eleitoral.

Para este ano, o fundo eleitoral é estimado em R$ 1,7 bilhão, sendo que boa parte é distribuída pelo número de deputados de cada legenda. Será a principal forma de financiamento das campanhas.

Previous post

FALTA DE VERBA E PLANEJAMENTO AMEAÇAM FUTURO DA TRANSPOSIÇÃO, DIZ CGU

Next post

DEPUTADO ROBERTO CARLOS LEVA MAIS OBRA DE URBANISMO PARA VERA CRUZ-BA

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.