Educação

ESTARÃO ABERTAS A PARTIR DE HOJE (07), AS INSCRIÇÕES PARA ENEM 2018

ENEM COMPLETA 20 ANOS DE CRIAÇÃO EM 2018

Nesta segunda-feira (7), a partir das 10h, começam as inscrições para a edição 2018 do Enem, que seguem até as 23h59 do próximo dia 18. As provas serão aplicadas nos dias 4 e 11 de novembro.

A partir da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) – nº 9.394/1996 -, que atribuiu ao Governo Federal assegurar a avaliação do rendimento escolar para definir as prioridades e melhorias na qualidade do ensino, o Ministério da Educação (MEC) instituiu, em 1998, junto ao Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), a aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nas escolas.

A ferramenta surgiu como uma proposta inovadora para avaliar competências e habilidades dos alunos concluintes da educação básica. Duas décadas se passaram e o que antes servia como um instrumento de avaliação de desempenho de estudantes, aplicado em unidades das redes públicas e privadas, tornou-se a principal porta de entrada para mais de mil instituições de ensino superior em todo o Brasil.

Educadores lembram que, em seu primeiro ano, foram registrados 157.221 inscritos em 184 municípios brasileiros – em Pernambuco, 6.032 estudantes participaram das provas; já no ano seguinte, esse número subiu para 7.968 participantes. A prova era realizada em um único dia, com quatro horas de duração, e havia 63 questões. “A proposta do Enem foi criar um conceito mais abrangente de interdisciplinaridade em que os conteúdos aprendidos não ficassem guardados, mas fossem aplicados para resolver problemas. Tínhamos as questões objetivas e a redação. Era uma prova agradável, inteligente e que conversava com os jovens”, afirmou a presidente do Inep, Maria Inês Fini. 

“Esse formato de avaliação encantou os jovens. Lembro que recebi um telefonema de um estudante afirmando que finalmente o MEC havia acertado”, completou. O processo de consolidação do Exame Nacional do Ensino Médio implicou diretamente na metodologia usada em sala de aula. “No início, houve muita resistência por parte das instituições e, é claro, os alunos fazem parte delas também, porque o Enem saía da zona de conforto em absolutamente tudo: na forma de capacitar o professor, na maneira de pensar as avaliações, no trabalho da educação sob a perspectiva de processo assistemático e na própria forma de avaliar o aluno, que passa a ser pensante, questionador e problematizador”, comentou Sandra Lima, professora de produção de texto do Colégio São Luís Marista.

O grande divisor de águas do Enem foi em 2009, quando o exame passou a substituir o modelo tradicional de vestibular para acesso às universidades públicas, tornando-se um processo unificado. O número de inscritos nessa edição foi mais de 4,1 milhões – em Pernambuco foram 207.848 candidatos inscritos. Com mais rigor e um nível de dificuldade maior para evitar o famoso “decoreba”, o teste passou a ter 180 perguntas distribuídas entre as seguintes áreas de conhecimento: linguagens, matemática, ciências da natureza e ciências humanas, além da redação. As provas eram realizadas em dois dias seguidos (sábado e domingo). As notas do Enem também se tornaram fundamentais para os programas do Governo Federal, como o Programa Universidade para Todos (Prouni), Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Professora de língua portuguesa há 12 anos, Fernanda Vasconcelos, da Escola de Referência em Ensino Médio (Erem) Ginásio Pernambucano – Aurora, também concorda com a transformação que o Enem trouxe na dinâmica dentro da sala de aula e que os alunos passaram a interagir mais. “Eles ficam mais atentos ao que liga uma disciplina à outra. Aquele aluno que quer fazer medicina não fica mais preso só à biologia, por exemplo. Ele tem quer conhecimento em outras áreas”, disse.

Outra grande mudança no Exame Nacional ocorreu no ano passado. As provas passaram a ser aplicadas em dois domingos consecutivos e a divisão das áreas de conhecimento passou a ser: ciências humanas, linguagens e redação, no primeiro dia; e, no último dia de prova, os candidatos devem ir preparados para fazerem prova de matemática e ciências da natureza. Foi também em 2017 que houve a suspensão do uso das notas do Enem para a obtenção do certificado de conclusão do ensino médio para aqueles estudantes que não conseguiram terminar os estudos no tempo adequado. O certificado só pode ser obtido por meio do Exame Nacional para Certificações de Competências de Jovens e Adultos (Encceja). Para a edição 2018, as mudanças ocorreram no pedido da taxa de isenção, que pode ser feito antes do período de inscrições. E os alunos agora vão ter 30 minutos a mais para fazerem as provas no segundo dia – passou de 4h30 para 5h de avaliação.

Polêmicas e segurança – Ao longo destas duas décadas, o Exame Nacional do Ensino Médio também acumulou polêmicas e a segurança na aplicação das provas para evitar vazamentos de informações se tornou o principal foco do Ministério da Educação e do Inep. “O sigilo da prova, no caso do Enem, é muito importante. Nós temos acompanhamento de várias instituições, temos apoio da Polícia Federal e vamos nos reunir com a Secretaria de Segurança. Portanto, todos os mecanismos de segurança estão sendo mantidos e, inclusive, ampliados”, declarou o ministro da Educação, Rossieli Soares.

Em 2009, houve um furto das provas dentro da gráfica responsável pela impressão dos cadernos. Com o vazamento, o Enem teve que ser adiado e os prejuízos para os estudantes foram enormes. Devido ao cronograma, algumas universidades desistiram de usar a nota do exame em seus processos seletivos. O fato causou o esvaziamento de candidatos no segundo dia de prova e essa edição registrou 37,7% ausência. No ano seguinte, o tema da redação, “Trabalho na construção da dignidade humana“, foi vazado por uma aplicadora da prova na Bahia, que enviou o tema para o filho. Eles foram processados e o filho desclassificado. Em 2011, no Ceará, alunos de uma escola particular tiveram acesso ao conteúdo do pré-teste do Enem.

O MEC decidiu que não iria cancelar o Exame, mas os alunos daquela escola tiveram que fazer uma nova avaliação em outra data. “Estamos falando de uma seleção nacional e que exige logística e um trabalho orquestrado. É importante que o órgão que a organiza dê a credibilidade de que a seleção será segura e tranquila para que os alunos não se desestabilizem e não se sintam injustiçados”, comentou a professora Sandra Lima. Em 2017, o MEC divulgou na Cartilha do Participante que o candidato que ferir os direitos humanos na redação teria a nota zerada. O Superior Tribunal Federal (STF) anulou essa decisão, mas, a partir deste ano, o candidato poderá perder até 200 pontos caso o texto escrito na redação desrespeite os direitos humanos.

Previous post

MUNDO LITERÁRIO SE ENCONTRA A PARTIR DE HOJE EM PETROLINA NO 4º CONGRESSO INTERNACIONAL DO LIVRO, CLI/SERTÃO 2018

Next post

INSANIDADE DE VIZINHO ASSASSINO

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.