Justiça

21 PRESOS DA LAVA JATO FORAM SOLTOS POR GILMAR MENDES EM MENOS DE UM MÊS: VEJA A RELAÇÃO DOS PREMIADOS

1 foi solto duas vezes

Desde o dia 15 de maio, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes já mandou soltar 21 pessoas presas na Lava Jato no Rio de Janeiro. Os mandados de prisão foram expedidos pelo juiz federal Marcelo Bretas, responsável pela operação no Estado.

Na última dia 1º de junho, Gilmar Mendes mandou soltar 4 presos na operação ‘Câmbio, desligo’.

Nesta 6ª feira (8.jun), o beneficiado foi o empresário Arthur Pinheiro Machado, preso na operação Rizoma da PF (Polícia Federal), deflagrada em abril. A operação é mais 1 desdobramento da Lava Jato.

Segundo as investigações, Machado Pinheiro estaria envolvido em desvios nos fundos de pensão Postalis, dos Correios, e Serpros, da Serpro, empresa pública de tecnologia da informação. Foi acusado de lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção.

Machado Pinheiro já havia sido solto no dia 23 de maio, também por decisão de Gilmar Mendes, mas Bretas decretou uma nova prisão preventiva do empresário por conta das investigações feitas no âmbito da operação.

Na decisão (eis a íntegra), Machado Pinheiro não “trará nenhum prejuízo” para as investigações, uma vez que “o réu está com todos os seus bens e valores bloqueados” e “renunciou aos poderes de administração das empresas e fundos de investimentos” citados na denúncia.

INVESTIGADOS SOLTOS

Desde o dia 15 de maio, Gilmar Mendes concedeu 21 habeas corpus aos seguintes envolvidos em investigações da Lava Jato no Rio:

    1. Milton Lyra: preso na operação Rizoma, solto em 15 de maio;
    2. Marcelo Sereno: preso na operação Rizoma, solto em 18 de maio;
    3. Adeilson Ribeiro Telles:preso na operação Rizoma, solto em 18 de maio;
    4. Carlos Alberto Valadares Pereira:preso na operação Rizoma, solto em 18 de maio;
    5. Ricardo Siqueira Rodrigues: preso na operação Rizoma, solto em 18 de maio;
    6. Marcelo Luiz Santos Martins: preso na operação Pão Nosso, solto em 21 de maio;
    7. Hudson Braga: preso na operação Calicute, solto em 23 de maio;
    8. Carlos Miranda: preso na operação Calicute, solto em 23 de maio;
    9. Marcos Vinicius Silva Lips: preso na operação Pão Nosso, solto em 23 de maio;
    10. Arthur Pinheiro Machado, preso na operação Rizoma, solto em 23 de maio;
    11. Sandro Alex Lahmann: preso na operação Pão Nosso, solto em 24 de maio;
    12. Carlos Mateus Martins: preso na operação Pão Nosso, solto em 24 de maio;
    13. Cesar Rubens Monteiro de Carvalho: preso na operação Pão Nosso, solto em 28 de maio;
    14. Sérgio Roberto Pinto da Silva: preso na operação Pão Nosso, solto em 28 de maio;
    15. Orlando Diniz: preso na operação Jabuti, solto em 1 de junho;
    16. Rony Hamoui: preso na operação Câmbio, desligo, solto em 1 de junho;
    17. Paulo Sérgio Vaz de Arruda: preso na operação Câmbio, desligo, solto em 1 de junho;
    18. Athos Roberto Albernaz Cordeiro: preso na operação Câmbio, desligo, solto em 1 de junho;
    19. Oswaldo Prado Sanches: preso na operação Câmbio, desligo, solto em 1 de junho;
    20. Antônio Claudio Albernaz Cordeiro: preso na operação Câmbio, desligo, solto em 5 de junho;
    21. Arthur Pinheiro Machado, preso novamente na operação Rizoma, após ser solto em 23 de maio. Nova soltura foi em 08 de junho.

MANIFESTAÇÃO DE BRETAS

No última 2 feira (5.jun), o juiz Marcelo Bretas enviou a Gilmar Mendes ofício dizendo que os casos de corrupção não podem ser tratados como “crimes de menor gravidade”.

“Os casos que envolvem corrupção de agentes públicos têm enorme potencial para atingir, com severidade, 1 número infinitamente maior de pessoas, bastando, para tanto, considerar que os recursos públicos que são desviados por práticas corruptas deixam de ser utilizados em serviços públicos essenciais, como saúde e segurança públicas e, no caso específico, educação”, disse.

O ofício foi solicitado pelo próprio Gilmar Mendes em instrução de habeas corpus concedido por ele ao ex-presidente da Fecomércio-RJ (Federação do Comércio do Rio de Janeiro) Orlando Diniz. Diniz teve a prisão decretada por Bretas.

Além de defender a prisão de Orlando Diniz, no ofício Bretas afirmou que casos envolvendo desvios de recursos públicos “não podem ser tratados como crimes menores, pois a gravidade de ilícitos penais não deve ser medida apenas sob o enfoque da violência física imediata”.

(Com informações da Agência Brasil.)

Previous post

JUAZEIRO X SENTO-SÉ FAZEM A FINAL DA 1ª COPA VELHO CHICO DE FUTEBOL NESTE SÁBADO

Next post

PROJETO MEU BAIRRO MELHOR DA SESP CHEGA AO RESIDENCIAL MAIRI

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.