EconomiaEsportesT.I. (INTERNET)

DURANTE A COPA, VÍDEOS ONLINE AMEAÇAM SUPREMACIA DA AUDIÊNCIA DA TELEVISÃO

por Shan Wang*

A mesma quantidade de pessoas que planeja assistir à Copa do Mundo pela televisão deverá assistir por meio de livestream. A informação é de estudodivulgado na 4ª feira (13.jun.2018) pelo IAB (Interactive Advertising Bureau). É outro sinal (se é que precisamos de mais um) de como até mesmo esportes ao vivo –a melhor esperança das companhias de TV à cabo para salvar alguma coisa como a antiga tradição de canais– está dando espaço para o digital.

O estudo do IAB entrevistou 4.200 pessoas em 21 países ao redor do mundo e descobriu que 71% disseram que provavelmente ou muito provavelmente assistiriam as partidas na televisão. 65% responderam que devem assistir aos jogos on-line.

Em alguns países, o streaming digital chegou a ultrapassar a televisão –incluindo China (mais de 6 pontos percentuais), Rússia (+7), Arábia Saudita (+2), Emirados Árabes Unidos (+1) e até os Estados Unidos (+1). (Fãs de futebol norte-americano tem muita capacidade inutilizada para torcer por alguns dos 32 países que de fato qualificaram para a final). Os países que ainda têm a TV como favorito estão na Europa: Alemanha, Itália, Suécia e Hungria.

A novidade também está clara se você olha para os dispositivos: a TV mal alcança smartphones como a plataforma por onde os fãs assistirão aos jogos, 39% contra 36%. (“Smart TV” ficou com 29%, mas não está claro no estudo se isso significa que todos que responderam “TV” na verdade quiseram dizer, bom, TVs burras).

Dados sobre a Copa do Mundo são apenas uma pequena parte do relatório, que observa para hábitos de vídeo ao vivo ao redor do mundo. 67% dos entrevistados disseram que consomem conteúdo ao vivo de vídeo em alguma plataforma, e 47% disseram que transmitem mais vídeos ao vivo hoje do que no ano passado.

De maneira geral, tanto o consumo de vídeo quanto de vídeo ao vivo são mais frequentes no sul do planeta que na América do Norte e na Europa. A frequência do vídeo digital é maior na América do Sul (onde 80% diz que assiste vídeo online pelo menos uma vez por dia); vídeos ao vivo são muito populares no Oriente Médio (90% disse que já assistiu a uma livestream, contra 67% na América do Norte).

Para conteúdo de vídeo menor que 30 segundos, smartphones e tablets são mais populares que outros dispositivos. Para os maiores de 30 segundos, as pessoas preferem smart TVs, dispositivos OTT, consoles de videogame e seus computadores.

Globalmente, notícias não estão nem perto do topo das categorias de vídeo ao vivo mais populares. O conteúdo mais popular são shows de TV. Vídeos de notícias ao vivo somam uma parcela considerável da audiência –mas as pessoas preferem esportes e vídeos de jogos.

As preferências do conteúdo para vídeos ao vivo, no entanto, variam por país. Entre os entrevistados da América do Norte, vídeos de esportes são mais populares. Na Arábia Saudita e nos Emirados Árabes, vídeos de notícias e os feitos por familiares e amigos são mais populares.

O momento do dia em que as pessoas assistem a vídeos ao vivo com mais frequência varia por país também. Na China, por exemplo, as noites são mais utilizadas para isso.

Como isto é um estudo do IAB, as questões envolviam os hábitos do consumidor e suas atitudes diante de publicidade durante vídeos ao vivo. Mais consumidores no mundo preferem assistir a vídeos gratuitos com anúncios do que pagar por um serviço de assinaturas –apesar disso também variar por região, com usuários do Oriente Médio e do Norte da África geralmente interessados em streams pay-per-view.

A pesquisa de 29 perguntas da IAB foi conduzida em abril e maio deste ano. Foram pesquisados os seguintes países: Austrália, Brasil, Canadá, Chile, China, Colômbia, Alemanha, Hungria, Irlanda, Itália, México, Peru, Rússia, Arábia Saudita, África do Sul, Suíça, Turquia, Reino Unidos, Emirados Árabes e Estados Unidos. Você pode ler o relatório completo aqui.

Shan Wang* integra a equipe do Nieman Lab. Ela trabalhou em editoriais na Harvard University Press e já foi repórter do Boston.com e do New England Center for Investigative Reporting. Uma das primeiras histórias escritas por ela foi sobre Quadribol Trouxa para o Harvard Crimson. Ela nasceu em Shanghai, cresceu em Connecticut e Massachusetts e é fã de Ray Allen.
__

O texto foi traduzido por Renata Gomes. Leia o texto original em inglês.
__

Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos que o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções ja publicadas, clique aqui.

Previous post

É HOJE! ESTA SERÁ A CAMISA DE ESTREIA DA "SELEÇA" LOGO MAIS CONTRA A SUÍÇA

Next post

BIBLIOTECA DO UNIVASF/CAMPUS JUAZEIRO RECEBE NOVOS LIVROS

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.