Saúde

MORTALIDADE INFANTIL AUMENTA PELA 1ª VEZ EM 26 ANOS

Causas foram zika e crise econômica

A alta de 5% na taxa de mortalidade infantil registrada em 2016 foi a 1ª elevação anual no indicador desde desde 1990. Segundo o Ministério da Saúde, a tendência é de que o índice de 2017 também se mantenha acima do registrado em 2015. Os dados foram publicados pelo jornal Folha de S. Paulo.

As razões apontadas pelo ministério são a epidemia do vírus da zika e a crise econômica. O vírus foi o responsável por aumentar a incidência de malformações graves entre os nascidos. Já a situação econômica resultou em elevação no número de mortes causadas por diarreia e pneumonia. A prevenção dessas doenças é diretamente influenciada por perda de renda das famílias, estagnação de programas sociais e cortes na saúde pública.

De acordo com dados do Ministério da Saúde, desde o começo da década de 1990, a taxa de mortalidade teve uma redução anual média de 4,9%. O valor ficou acima da média global, estimada em 3,2% em relatório do Unicef (fundo das Nações Unidas) em 2017.

Em 2016, no Brasil, a taxa de mortalidade foi de 14 óbitos infantis a cada 1000 nascimentos –5% a mais que em 2015.

Entre os anos de 2015 e 2016, a taxa ficou estagnada em 18 mortes infantis por mil nascimentos na América Latina. Já no mundo, a tendência foi na redução, de 42 para 41.

Para o ano de 2017, a estimativa do ministério é de que a mortalidade infantil no Brasil fique em 13,6 no mínimo, contra 13,3 de 2015. Os números oficiais ainda não estão fechados.

A taxa de mortalidade infantil considera o número de mortos até 1 ano a cada 1.000 nascidos vivos. A taxa chamada de mortalidade na infância, que considera o número de crianças de até 5 anos mortas a cada 1.000 nascidos vivos, também é monitorada. Em 2016, foram 36.350 mortes nessa faixa etária, sendo 19.025 nos primeiros 7 dias.

OUTRAS CAUSAS

As principais causas de mortes infantis são prematuridade, malformações, asfixia e infecções. Mais da metade dos óbitos acontece na 1ª semana de vida.

Além do vírus da zika, outras causas do aumento da mortalidade são evitáveis. Entre elas, está a diarreia que teve aumento de 12% entre 2015 e 2016 na morte de crianças menores de 5 anos.

Centro Oeste, Norte e Nordeste foram as regiões do país com maiores altas gerais, sendo 48%, 25% e 8%, respectivamente. Somadas, elas respondem por 74% das mortes. Os dados também mostram que em 20 Estados tiveram alta na mortalidade infantil em 2016.

Amapá, Amazonas, Bahia, Pará, Piauí e Roraima tiveram, juntos, taxa de mortalidade média de 19,6 e aumento de 14,6% ante 2015. Os Estados que tiveram redução de taxas em 2016 foram Rondônia, Acre, Rio Grande do Norte, Alagoas, Paraná, Santa Catarina e Distrito Federal.

A taxa de desnutrição crônica de crianças até 5 anos ficou em 13,1% em 2017, retornando ao patamar de 2013. Em 2016 o índice foi de 12,6% e em 2015, 12,5

Poder360

Previous post

PARA REDUZIR INFRAÇÕES NO TRÂNSITO EM PETROLINA AMMPLA INTENSIFICA ATIVIDADES EDUCATIVAS

Next post

ELEIÇÕES 2018: A TRÊS MESES DAS ELEIÇÕES, SÓ CINCO ESTADOS TÊM LÍDERES PRA VENCER NO 1º TURNO

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.