Justiça

PRESIDENTE DO STF, DIAS TOFFOLI, MINIMIZA DITADURA MILITAR E CHAMA DE ‘MOVIMENTO DE 1964’

Falou em evento na USP

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, disse na manhã desta 2ª feira (1º.out.2018) que a tomada do poder pelos militares em 1964 foi 1 “movimento”, não 1 golpe. A declaração foi dada em evento sobre os 30 anos da promulgação da Constituição de 1988 na Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. Toffoli citou o historiador Daniel Aarão Reis para afirmar que passou a ser “conveniente” tanto para a direita quanto a esquerda “culpar o regime militar de tudo”.

“Por isso que hoje, depois de aprender com o atual ministro da Justiça, Torquatto Jardim, eu não me refiro mais nem a golpe nem a revolução de 1964. Eu me refiro a movimento de 1964”, disse o presidente do STF.

Na sequência, o ministro afirmou que os militares foram 1 instrumento de intervenção. “E se algum erro cometeu foi, ao invés de ser o moderador que em outros momentos da história interveio e saiu, eles acabaram optando por ficar e o desgaste da legitimidade em todo esse período acabou recaindo sobre essa importante instituição nacional que são as forças armadas que são também responsáveis pela nossa unidade nacional.”

O presidente do Supremo já expressou diversas vezes seu apreço pelos militares. Inclusive nomeou o general da reserva Fernando Azevedo e Silva seu assessor. O militar já atuou com Toffoli na AGU (Advocacia Geral da União).

Os debates sobre a Carta Magna estão programados para toda esta 2ª feira no Salão Nobre da Faculdade de Direito. O painel que contou com a presença do presidente do Supremo foi intitulado “A representação política e as suas vicissitudes” e foi realizado às 9h.

Mais tarde, o também ministro do STF e professor da Faculdade ministro Ricardo Lewandowski falou no painel “As dinâmicas do modelo de separação de Poderes”.

Previous post

INTERCÂMBIO NA FRANÇA SERÁ TEMA DE PALESTRA NA UNIVASF NOS DIAS 4 E 5 DE OUTUBRO

Next post

PASSA DE 1.200 O NÚMERO DE MORTOS NA INDONÉSIA APÓS TERREMOTO E TSUNAMI DEVASTADORES

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.