Política

QUEM DIRIA QUE DILMA ESTEVA CERTA TODO O TEMPO? TODOS PERDEMOS COM AS ELEIÇÕES 2018

Depois da desastrada passagem pelo Palácio do Planalto, a ex-presidente Dilma Rousseff certamente não deveria ser considerada uma analista política da melhor qualidade. No entanto, a petista, derrotada de maneira acachapante na tentativa de chegar ao Senado por Minas Gerais, previu o dia 29 de outubro de 2018 ao exarar uma de suas pérolas: “Não acho que quem ganhar ou quem perder, nem quem ganhar nem perder, vai ganhar ou perder. Vai todo mundo perder”.

Não é uma piada. Esse vídeo da ex-presidente há algum tempo circula pela internet como uma das esdrúxulas declarações dela. À época – e até hoje -, a fala é tratada como um meme. No entanto, deslocado o preconceito e o antipetismo, além da difícil construção textual, Dilma retratou bem o que é o Brasil desde as eleições de 2014. A construção do país a partir daquela disputa entre ela e Aécio Neves mostrou que, no final, não haverá vencedores.

Em 29 de outubro de 2018, o Brasil sairá do segundo turno das eleições, no dia anterior, ainda mais dividido do que no passado. E o acirramento de ânimos acontece de ambos os lados. Tanto os apoiadores de Jair Bolsonaro quanto os de Fernando Haddad têm cometido excessos e, ao longo desse fim de campanha, a tendência é, infelizmente, piorar.

A disputa eleitoral deste ano será marcada pela divulgação massiva de fake news. Há um exército de fãs/ torcedores que não esconde a predileção por cada um dos candidatos e não se preocupa se a informação é real ou não. O que importa é espalhar o caos e destruir a reputação do adversário. Mesmo que isso custe uma briga ou uma guerra travada em qualquer ambiente, até mesmo o familiar – mas sempre em defesa da família.

São diversos os relatos de desentendimentos e desapontamentos, principalmente nas redes sociais. A revolução esperada durante o período pré-eleitoral não aconteceu e plataformas como Facebook, Twitter e WhatsApp se transformaram em arenas de batalhas em que não haverá vencedores ou vencidos. Apenas sucessivas derrotas frente a um país completamente separado entre nós e eles, a depender do observador.

Já Bolsonaro e Haddad, independente de quem for eleito nas urnas, estarão vivendo uma realidade bem diferente desses milhares de eleitores que preferem viver uma paixão nas urnas a encarar racionalmente a disputa eleitoral. Tal qual a classe política, que saiu balançada do primeiro turno, mas ainda persiste, e para quem pouco importa a opinião pública.

Quem diria que, depois de ser defenestrada do poder e ficar em quarto lugar numa disputa em que aparecia como líder, Dilma poderia estar certa sobre política? No final das contas, todos perdemos.

Previous post

HADDAD REFORÇA QUE NÃO DARÁ INDULTO A LULA CASO ELEITO: 'ELE NÃO PEDE'

Next post

FÓRUM DE DESENVOLVIMENTO DA ABDE DEBATERÁ PROPOSTAS DE CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.