Política

EQUIPE DE BOLSONARO PLANEJA INSS SOB A GESTÃO DO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

O superministério da Economia, que será assumido por Paulo Guedes, está perto de ganhar mais uma atribuição, a gestão do INSS, segundo afirmaram à Folha o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, e o futuro ministro da Cidadania, Osmar Terra. A informação é da Folha.

Segundo a publicação, com a vinculação do INSS ao Ministério da Economia, Guedes terá o domínio da área de Previdência desde a elaboração de políticas —como a proposta de reforma— até a gestão da área, com o atendimento ao público.
o Instituto Nacional do Seguro Social é responsável por avaliar e conceder pedidos não só de aposentadoria, mas de outros benefícios previdenciários, como auxílio-doença e pensão por morte. Hoje é vinculado ao Ministério do Desenvolvimento Social. Também cabe ao órgão a concessão do benefício assistencial pago a pessoas com deficiência e idosos de baixa renda, o BPC (Benefício de Prestação Continuada).

Conforme a publicação, um exemplo recente da importância das ações do órgão para a área econômica é o pente-fino que foi promovido nos benefícios por incapacidade (auxílio-doença e aposentadoria por invalidez), com economia de recursos. Por um lado, o INSS é historicamente visado por partidos políticos aliados ao Palácio do Planalto, na busca de nomear aliados para comandar o órgão, que paga mais de R$ 40 bilhões por mês a quase 35 milhões de beneficiários.

A capilaridade da rede de agências também é um trunfo para os políticos: são 1.597 unidades em 1.417 municípios. Ao mesmo tempo, a gestão dos benefícios previdenciários e o atendimento direto a um público desse tamanho são uma bomba difícil de administrar. O atraso na concessão de aposentadorias e o questionamento sobre benefícios negados levaram o INSS ao posto de maior litigante do país.

Em 2017, o INSS pagou R$ 92 bilhões em aposentadorias e outros benefícios concedidos ou reativados por ordem judicial —15% do total de R$ 609 bilhões pagos a beneficiários no ano passado. O cálculo é resultado de fiscalização do TCU (Tribunal de Contas da União) antecipada pela Folha.

Outro problema que o comando do órgão terá de administrar é a aposentadoria de seus servidores. Isso porque, dos 33 mil funcionários, 55% (cerca de 18 mil) terão os requisitos para pedir aposentadoria em 2019.

O atual presidente do órgão, Edison Garcia, defende um programa de incentivo com bônus e teletrabalho para mantê-los na ativa. O INSS foi criado em 1990 como autarquia vinculada ao então Ministério da Previdência e Assistência Social. Ele é fruto da fusão dos extintos Iapas (Instituto de Administração Financeira da Previdência e Assistência Social) e INPS (Instituto Nacional de Previdência Social).

A principal discussão relacionada à Previdência no ministério de Guedes no ano que vem deve ser a proposta de reforma que o governo Bolsonaro pretende enviar ao Congresso. A equipe ainda não detalhou o texto.

Previous post

BOLSONARO GARANTE QUE VAI USAR CANETA SE HOUVER “DENÚNCIA ROBUSTA” CONTRA ONYX

Next post

MPF MOVE AÇÃO PARA QUE ESTUDANTES POSSAM RECORRER DAS NOTAS DO ENEM

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.