Artigo

blogueiro diz em sua coluna que Miguel coelho já está eleito em Petrolina e que Odacy “deixou há muito representar qualquer ameaça”

Coluna do Magno – 

Faltando menos de dois meses para as eleições de 15 de novembro é possível se constatar situações extremamente confortáveis para quem está no jogo bruto da política. Na Região Metropolitana do Recife, o prefeito de Jaboatão, Anderson Ferreira (PL), é um desses casos que já pode encomendar a beca da posse. Está sem adversários, voando em céu de brigadeiro.

Caruaru, no Agreste, depois dos grupos José Queiroz (PDT) e Tony Gel (MDB) virarem castelos de areia, com a desistência de ambos, que já governaram o município, a prefeita Raquel Lyra (PSDB) só não se reelege no primeiro turno se vier a ser atropelada por um fato que tenha relevância e seja assimilado como ojeriza pelo seu eleitorado cativo e exigente. Ficou igualmente extremamente bem posicionada, sem concorrentes.

Outro que pode encomendar também a roupa da posse é o prefeito Miguel Coelho (MDB), de Petrolina. Deve sair das urnas, aliás, como o mais votado no Estado. Seu principal adversário, o ex-prefeito Odacy Amorim (PT), deixou de há muito representar qualquer ameaça que atropele a reeleição do emedebista. O ex-prefeito Júlio Lossio (PSD), que representa o maior grupo de oposição, jogou o filho Julinho (PSD) na fogueira, depois de ver Lucas Ramos, seu candidato preferido, jogar a toalha, fritado pelo PSB e o Palácio.

Entrando para o Interior, em municípios acima de 40 mil habitantes, Afogados da Ingazeira, minha terra, também não tem eleição. Ali, quem poderia ir para o enfrentamento com Alessandro Palmeira (PSB), candidato apoiado pelo prefeito José Patriota, era o ex-prefeito Totonho Valadares (MDB), que acabou se compondo com o prefeito. Indicou um filho para vice. Só restou a candidatura do vereador Zé Negão, do Podemos, que não é nem nunca será páreo para a estrutura de Patriota.

Também no Pajeú, Itapetim, o berço imortal da poesia, se insere nesse universo sem disputa. O prefeito Adelmo Moura (PSB) vai ser reeleito pela quarta vez sem nenhuma ameaça. Tudo porque tem aprovação recorde não apenas da gestão atual, mas também das duas anteriores. É um dos melhores quadros técnicos e de gestão da atualidade. Ainda no Pajeú, em Carnaíba o prefeito Anchieta Patriota, também no terceiro mandato, é daqueles que nem precisam fazer campanha. Se ficar em casa, ainda assim será reeleito. Não tem adversário.

Há, também, casos inusitados, como dos municípios de Jupi, Alagoinha e Terezinha, no Agreste, cujos prefeitos vão à reeleição como candidatos únicos, sem adversários na oposição. Em Jupi, o prefeito Marcos Patriota, do DEM, não tem adversário nem na eleição proporcional. Ali, todas as nove cadeiras da Câmara são ocupadas por correligionários e os dezoito postulantes a vereador são aliados do prefeito. Um cenário dos sonhos para qualquer gestor.

Marcos Patriota avalia que a inexistência de opositores é fruto de boa gestão. “Nós trabalhamos em prol do povo e temos o reconhecimento até da oposição, que retirou a candidatura para que o trabalho que está sendo feito continue por mais quatro anos”, disse. Para quem não gosta da rinha política, Jupi deve deixar muitos políticos com uma pitadinha de inveja saudável.

Previous post

Parabéns radialistas

Next post

PETROLINA DE OUTROS TEMPOS

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.