Artigo

Confinamento para rico é férias; para pobre é fome, analisa Paula Schmitt

Esses dias de coronavírus estão servindo para algumas reflexões, e uma das frases que mais tenho ouvido é que “na morte somos todos iguais”. É uma frase até bonita, mas, acima de tudo, muito frívola. A morte não nivela ninguém, porque naquele momento ninguém é alguma coisa –ali, todos deixaram de ser.

É a vida, e como a vivemos, que realmente importa. É essa existência –um presente para alguns, um peso para outros– que vamos carregar do berço ao caixão. E a pandemia do coronavírus está de certa forma servindo para expor a diferença abismal entre as vidas de cada um de nós.

Juntos sob a mesma ameaça, é nesse “pé de igualdade” que notamos como somos desiguais, e como para os ricos, quarentena é férias; para os pobres, é fome. No último domingo, uma reportagem muito sensível feita por Manoel Soares para o Fantástico deu uma ideia da pobreza e privação que assolam o nosso país. Filmada na favela de Paraisópolis, ela mostrava uma das maneiras mais eficientes de combater a covid-19 na comunidade, feita por meio da doação de algo imprescindível, silenciosamente deixado nos buracos e vãos das paredes irregulares: um sabonete.

No empório onde eu faço compras em Ipanema tem um cara que se chama Severino. Ele está sempre com um sorriso no rosto. Trata a todos com carinho e elegância. É inteligente, desenvolto, prestativo, solucionador de problemas. Veio do Nordeste, de família pobre, não teve estudo. Tem 29 anos e 3 filhas, duas delas enteadas. Mas diferente do Severino da obra-prima do João Cabral de Melo Neto, esse aqui não morre de fome um pouco por dia –ele morre de cansaço. Aquele sorriso que não lhe sai do rosto, aquele “bem-vindo” insistente com o qual ele recebe todos que entram na loja, é mais aceitação do que ânimo.

O Severino da loja trabalha todos os dias das 8h às 16h. Mas o dia dele começa muito antes. Severino acorda de segunda a sexta às 3 da manhã para pegar o ônibus em Nova Iguaçu às 3h40, e mais um ônibus depois desse, e chegar em Ipanema duas horas antes de a loja abrir, porque se deixar para pegar o próximo ônibus, o trânsito lhe impede de chegar a tempo de bater o ponto. Às vezes ele tira um cochilo ao lado de uma banca de jornal na frente da loja, mas foi assaltado vezes demais para relaxar de verdade.

A volta é o mesmo calvário, só que inclui a espera em um ponto de ônibus em pé, por uma hora e meia. Quando tem sorte, ele chega em casa por volta das 10 horas da noite, 18 horas depois de ter saído. Se o trânsito for ruim, só chega depois da meia-noite.

Aos sábados, Severino tenta correr atrás do sono perdido, e dorme uma horinha a mais porque o trânsito permite que ele pegue o ônibus das 4h40. Aos domingos, seu único dia livre, Severino acorda às 5 da manhã pra correr – “não posso ficar doente” – e ajuda vizinhos, arruma a casa, brinca com as crianças. E dorme. Essa é a vida do Severino. Pergunto se o salário é bom. “É ótimo”, ele me diz. “Descontando tudo –vale refeição, transporte– eu ganho limpo R$ 1.000”.

E com todo esse trabalho para ir trabalhar, e agora com o risco de ficar doente e morrer, Severino ainda teme a quarentena mais do que a doença –porque a morte pela doença é incerta, mas se a loja fechar, seu desemprego é garantido. Que país é esse que construímos em que um trabalhador não pode “se dar ao luxo” de parar para evitar uma contaminação? Que país é esse em que, para grande parte dos ambulantes e outros trabalhadores informais, um dia perdido de trabalho significa o equivalente em dias sem comida na mesa?

O governo anunciou –mas ainda não foi aprovada– uma medida para distribuir por 3 meses um auxílio emergencial no valor de R$ 200 mensais para trabalhadores informais, desempregados e microempreendedores individuais com renda menor que R$ 522,50 (meio salário mínimo).

É isso mesmo: R$ 200, insuficientes até mesmo para uma cesta básica. Na 4ª feira (25.mar.2020), contudo, o governo anunciou que pretende aumentar esse auxílio para R$ 300. O total disso para os cofres públicos é estimado em cerca de R$ 30 bilhões.

Para efeito de comparação de prioridades, o Tribunal de Contas do Estado de Goiás resolveu “cumprir a lei” e reajustar o auxílio-alimentação de seus conselheiros, auditores e procuradores em 36,8% em plena crise pandêmica, num dia em que estavam todos ausentes protegendo-se da contaminação no aconchego do lar. O auxílio-alimentação dos juízes passará de R$ 884 mensais para R$ 1.210.

O auxílio emergencial de R$ 300 para trabalhadores informais sem renda suficiente é uma das medidas que deveriam ser apoiadas até –e talvez especialmente– por quem mais se opõe à interferência do Estado na economia. Em 1º lugar, quanto menor o caminho da ajuda financeira, menor a chance de desvio. Entregar o dinheiro diretamente nas mãos do trabalhador evita favorecimentos de intermediários que se beneficiam de pequenas “comissões” que, concentradas, viram verdadeiras fortunas.

Além disso, essa pulverização do dinheiro público favorece o comércio local organicamente, sem injustiças, da forma mais econômica e racional. Isso porque quando o dinheiro é entregue nas mãos de quem vai usar, ele acaba parando nas mãos de quem melhor provém serviços e bens.

A escolha mais racional fica por conta do indivíduo, ou da coletividade não uniforme dos indivíduos, que gasta o dinheiro da maneira mais inteligente. Por isso a Lei Rouanet, tão defendida pela esquerda, é algo que considero absurdo: porque ela retira do Estado um poder decisório e o repassa não para o indivíduo, mas para empresários, que certamente têm preocupações menos nobres do que levar a cultura onde ela é mais necessária. É esse tipo de lógica que faz marcas famosas doarem milhões de dólares –dedutíveis dos seus impostos– para reconstruir a Catedral Notre Dame, e não dirigir um centavo para alimentar pessoas ou construir escolas públicas.

A inversão da lógica da interferência estatal está tão distorcida que o governo de Nova York ofereceu US$ 3 bilhões para a Amazon, na forma de isenção de diversos impostos, para que ela abrisse uma filial no Estado e supostamente criasse empregos que jamais acumulariam esse valor total. Esse é o capitalismo norte-americano.

Já na Alemanha, o governo valoriza a assistência social –favorecendo a mesma lógica que mencionei acima: a pulverização dos impostos na economia da forma mais orgânica possível. E vale lembrar que o Washington Post, jornal de propriedade do mesmo Jeff Bezos, noticia que a Amazon não pagou um centavo em impostos federais sobre lucros de US$ 11,2 bilhões em 2018.

O Brasil tem a maior concentração de renda do mundo entre o 1% mais rico, e essa realidade não melhorou sob o governo do PT –ela se exacerbou.

A verdade é que não deveríamos precisar de pandemia tão aterradora para compreender que o Brasil e o mundo estão doentes. E a culpa não é do mercado livre –a culpa é, em grande parte, da ausência de regulação, do capitalismo de compadrio, e da corrida insana pelo fundo do poço em que governos brigam para ver quem oferece maior isenção de imposto, e a ausência de limites mínimos permitem que trabalhadores ofereçam cada vez mais trabalho por menos salário.

Isso, obviamente, não pode ajudar a economia, porque a diminuição do salário é também a diminuição do consumo. E de nada adianta, claro, determinar um salário mínimo obrigatório no país A, se uma empresa pode contratar manufatura no país B pela metade do valor.

E para grande parte do povo brasileiro, o que se tem é muito pouco. Nem os presentes gratuitos dessa vida –o mar, o pôr-do-sol, a praia e a areia onde todos são iguais– podem ser aproveitados pelos Severinos que nos servem. Essa diferença entre Severino e eu, entre sonho e pesadelo, é quase sempre determinada no nascimento, naquela loteria que ganhamos sem ter mérito ou que perdemos sem ter culpa, um prêmio ou derrota que nos define e que, com raras exceções, carregamos ou nos carregam por toda a vida.

Religiões inteiras foram inventadas para facilitar a digestão dessa iniquidade. É karma, acreditam alguns. O céu e o inferno equilibrarão as coisas, acreditam outros. Para quem não acredita em vida após a morte, como é o meu caso, isso aqui é tudo que temos. E é aqui que podemos ajustar o que a herança indevida determinou.

Não sou religiosa, mas acredito na oração que fazemos na nossa casa antes de cada refeição que partilhamos em família. Depois do agradecimento a Deus pela comida, a prece termina pedindo outro alimento: “Dai pão aos que têm fome, e fome de justiça aos que têm pão”.

Que esse governo, e também aqueles que o opõem, saibam olhar para quem mais precisa, e se esforcem para diminuir as diferenças monstruosas que nos separam, e eliminar essa pobreza que é tão obscena que mesmo quem dela escapou sofre –ainda que não por privação, por pura vergonha.

Gostou?

Previous post

Agrovale dobra cuidados com o Coronavírus e vacina trabalhadores com a Trivalente

Next post

CSTT reacende sinalização da Avenida Adolfo Viana

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.