Educação

Dia do Professor: STEM Brasil ajuda professores durante a pandemia

A pandemia do novo coronavírus alterou a rotina dos professores e a forma de ensinar. A falta de capacitação para ministrar aulas de forma remota é uma realidade: 89% dos docentes de escola pública não tinham qualquer experiência com esse tipo de ensino, mostra a pesquisa “Trabalho Docente em Tempos de Pandemia”, feita pelo Gestrado/UFMG (Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho Docente da Universidade Federal de Minas Gerais) e pela CNTE (Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação).

Nesse quadro de insegurança, o trabalho desenvolvido por organizações não-governamentais faz diferença na atuação dos docentes. Voltado para a formação de professores de escolas públicas, o STEM Brasil, por exemplo, ensina uma metodologia própria baseada em atividades práticas que facilitam o aprendizado de ciências e matemática. O programa é desenvolvido pela ONG Educando.

“A falta de interatividade, muitas vezes, gera resultados negativos no processo de aprendizagem. Se não tiver uma pitada de ludicidade e tecnologia, o professor está fadado a fracassar pedagogicamente. Aí que entra o STEM, mostrando como o professor pode produzir esses trabalhos na escola e fora dela, contextualizando com a realidade dos alunos. A teoria deve estar sempre de mãos dadas com a prática experimental”, afirma o professor Jonas Fernandes da Silva, de Aracajú (SE).

Ainda que o foco não seja o ensino a distância, a formação tem facilitado o trabalho dos professores que já concluíram o programa. É o caso da professora de biologia Milena Ribeiro Moreno, de Bauru (SP). Ela conta que, mesmo a distância, tem usado roteiros de aula do STEM Brasil com os seus alunos. “Usei uma prática e um jogo que os alunos poderiam fazer em casa para estudar genética”, diz. Segundo Milena, o material enviado pela ONG é fundamental já que, muitas vezes, o governo não consegue fornecer.

Professor de matemática, João Pereira de Lira Neto, de João Pessoa (PB), exalta o método e também usa o momento para pôr em prática a sua formação: “ele permite aos alunos o fortalecimento dos quatro pilares da educação: aprender a conviver; aprender a fazer; aprender a aprender; e aprender a ser”.

Com base no que foi oferecido pela ONG sobre dengue, o docente conseguiu mostrar aos estudantes como se dá a transmissão da Covid-19. “O jornal usa a progressão geométrica para explicar a velocidade, dizendo que cada indivíduo contamina outros três. Mas isso só mostra a velocidade, não mostra como se dá a contaminação, que é um problema probabilístico, que exige a análise de diversos fatores. Assim, os alunos entenderam o modelo que representava a contaminação comunitária e que qualquer pessoa podia ser vetor”, relata.

Além disso, João Pereira também tem feito outras práticas com materiais fáceis de se encontrar em casa, como um canudo, por exemplo, para uma experiência térmica. “É o que acho mais fácil para o desenvolvimento e o uso do método nesse tempo de pandemia. Tem um ou outro material mais complexo, mas que mesmo assim dá para substituir”.

Opinião semelhante é do professor Félix Hermínio, que dá aulas em Duque de Caxias (RJ). “A formação oferecida facilita o trabalho nesse período, tanto pela forma de interagir com os alunos quanto pela possibilidade de se fazer ciência com material do cotidiano”, diz.

Com o investimento de empresas privadas e apoio de governos locais, a Educando já levou o programa STEM Brasil para quase 9 mil professores, beneficiando diretamente mais de 740 mil alunos. Além do Brasil, a ONG também oferece o programa no México.

Previous post

Eleições 2020: Paulo Bomfim e Charles Leão debatem sobre segurança pública com Guardas Municipais

Next post

Red Bull Basement busca ideias inovadoras de estudantes universitários em Pernambuco

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.