Meio AmbientePolítica

Governo alemão rebate Bolsonaro sobre verba para a Amazônia

Após presidente dizer que Brasil não precisa do dinheiro de Berlim, ministra alemã afirma que falas mostram que Alemanha age certo ao congelar investimentos. “Amazônia é tema da humanidade”, diz porta-voz de Merkel.

“Isso mostra que estamos fazendo exatamente a coisa certa”, afirmou nesta segunda-feira (12/08) a ministra alemã do Meio Ambiente, Svenja Schulze, em resposta à declaração do presidente Jair Bolsonaro de que o Brasil “não precisa do dinheiro” de Berlim para preservar a Floresta Amazônica.

“Apoiamos a região amazônica para que haja muito menos desmatamento. Se o presidente não quer isso no momento, então precisamos conversar. Eu não posso simplesmente ficar dando dinheiro enquanto continuam desmatando”, afirmou a ministra à Deutsche Welle.

Schulze, entretanto, diz que pretende manter aberto o diálogo com o governo brasileiro. “No momento, isso não está funcionando muito bem. Mas continuamos tentando, diplomaticamente.”

No sábado, Schulze disse em entrevista ao jornal Tagesspiegel que a Alemanha vai congelar investimentos de 35 milhões de euros (cerca de 155 milhões de reais) que seriam destinados a diferentes projetos de proteção ambiental no Brasil.

Ministra alemã do Meio Ambiente: “Não posso ficar dando dinheiro enquanto continuam desmatando”

Ao responder a jornalistas sobre a suspensão dos repasses alemães, Bolsonaro disse que “o Brasil não precisa disso”.

“Ela [Alemanha] não vai mais comprar a Amazônia, vai deixar de comprar a prestações a Amazônia. Pode fazer bom uso dessa grana. O Brasil não precisa disso”, afirmou o presidente no domingo.

Ao ser questionado se o congelamento dos valores não teria impacto na imagem do Brasil no exterior, Bolsonaro respondeu: “A imagem do Brasil? Você acha que grandes países estão interessados na imagem do Brasil ou em se apoderar do Brasil?”

Steffen Seibert, porta-voz da chanceler federal alemã, Angela Merkel, afirmou nesta segunda-feira que a conservação da Amazônia é “um tema da humanidade”, que tem um significado para todos. “Isso é o que nós defendemos politicamente.”

Apoio ao Fundo Amazônia

Para conter o desmatamento florestal, a Alemanha também apoia o Fundo Amazônia, no qual o Ministério alemão da Cooperação Econômica já injetou 55 milhões de euros (por volta de 245 milhões de reais) e que não será afetado pela medida anunciada por Svenja Schulze.

Com um volume total de quase 800 milhões de euros (por volta de 3,5 bilhões de reais), a maior parcela do Fundo Amazônia é financiada pela Noruega e uma pequena parte dele, pela Alemanha.

O ministro alemão do Desenvolvimento, Gerd Müller, assegurou nesta segunda-feira que por enquanto Berlim não planeja se retirar do Fundo Amazônia. Ele destacou que, durante sua visita ao Brasil, “indígenas, grupos ambientalistas e representantes do governo se disseram favoráveis a uma continuação dessa importante e bem-sucedida cooperação”.

Recentemente, tanto o governo alemão quanto a Noruega haviam reclamado dos planos do ministro do Meio Ambiente brasileiro, Ricardo Salles, de promover mudanças na gestão do fundo.

Müller ressaltou que as conversas que teve com Salles no Brasil foram “abertas e construtivas” e que se está tentando elaborar “uma nova abordagem de cooperação” para continuação do Fundo Amazônia. “Qualquer um que queira preservar a excelente função climática da floresta tropical deve reforçar essas medidas, e não acabar com elas.”

Na entrevista em que anunciou o congelamento dos repasses, Schulze levantou dúvidas sobre o comprometimento do governo Bolsonaro em reduzir o desmatamento. “A política do governo brasileiro na região amazônica deixa dúvidas se ainda se persegue uma redução consequente das taxas de desmatamento”, declarou a ministra ao jornal alemão, apontando que somente quando houver clareza a cooperação de projetos poderá continuar.

Desde a posse de Bolsonaro, em janeiro, o governo alemão e de outros países europeus, como França e Noruega, têm demonstrado preocupação com a forma como o Brasil passou a tratar a proteção ambiental e a explosão nos níveis de desmatamento no país.

Na semana passada, dados divulgados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) confirmaram o aumento significativo no desmatamento da Floresta Amazônica. Em julho deste ano, a devastação do bioma cresceu 278% em relação ao mesmo mês de 2018.

Segundo o Sistema de Detecção do Desmatamento na Amazônia Legal em Tempo Real (Deter), em julho 2.254,9 quilômetros quadrados de floresta foram devastados.

Um grande aumento do desmatamento já havia sido apontado em junho, quando a devastação da floresta cresceu 88% em relação ao mesmo mês de 2018. A divulgação desses dados causou uma crise entre o Inpe e o governo Bolsonaro, que culminou com a exoneração do presidente do instituto, Ricardo Galvão.

MD/dw/dpa

______________

Previous post

Secretaria de Saúde de Petrolina orienta sobre vacinação contra o sarampo

Next post

Citado para 2022, Rui Costa testa estratégias para confrontar Bolsonaro

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.