Política

O poder das turmas de 1977, 1978 e 1979 da Aman na Esplanada


Eles se conhecem pelos nomes de guerra, mas, de vez em quando –em momentos mais descontraídos–, podem se tratar pelos apelidos da época da Aman (Academia Militar das Agulhas Negras). Miotto, Moura, Moura (2 deles têm os mesmos sobrenomes), Braga Netto, Schons, Nardi, Freitas, Ramos e Pujol foram alunos formados das turmas de 1977, 1978 e 1979 da escola superior militar, localizada em Resende (RJ).

Os generais citados acima ocupam hoje 9 das 15 cadeiras do Alto-Comando do Exército. Dois deles viraram ministros –Luiz Eduardo Ramos e Walter Souza Braga Netto– e 1 terceiro, Edson Leal Pujol, é o atual comandante do Exército do presidente Jair Bolsonaro, este formando na turma de 1977 da Aman. A conta dos militares foi apresentada no Drive –newsletter exclusiva para assinantes produzida pela equipe do Poder360– e tem uma série de simbolismos e significados.

Bolsonaro chegou ao poder no mesmo momento que os contemporâneos da Aman ingressaram no Alto-Comando do Exército.

Todos os generais têm a mesma faixa etária e estão na ativa, por óbvio, incluindo os ministros da Secretaria de Governo e da Casa Civil, o que garante ascendência sobre as tropas nos quartéis. Assim, estão aptos a fazerem eventuais trocas de cadeiras no Exército. Quatro estrelas –a mais alta patente entre os oficiais–, eles hoje são o time efetivo de Bolsonaro, que, encerrado o 1º ano de mandato, parece querer se isolar do núcleo ideológico-folclórico para se fechar com os militares no Palácio do Planalto.

Se tal movimento, em sentido contrário aos políticos tradicionais, vai dar certo são outros 500. Mas parece cada vez mais claro que Bolsonaro mantém os ideológicos para evitar eventual ira nas redes, mas também abre espaço para que os amigos das turmas da Aman cuidem das tarefas do cotidiano. Dois exemplos de tais ações:

  • Em vez de tirar Abraham Weintraub e Onyx Lorenzoni –que se apegou a Olavo de Carvalho para manter sustentação na Esplanada–, chamou 1 general para a Casa Civil. O militar vai ficar de olho na Educação.
  • Em vez de tirar Filipe Martins do cargo de assessor especial para assuntos internacionais, transferiu as atribuições dele para 1 almirante, dentro da estrutura da SAE (Secretaria de Assuntos Estratégicos).

O almirante é Flávio Augusto Viana Rocha, formado pelo Colégio Naval, mas agora 1 dos novos nomes da turma encabeçada pelos generais do Planalto. Tudo com o aval do ministro Ramos, o homem de confiança de Bolsonaro.

Previous post

Paulo Câmara: “O maior investimento de um gestor público é na educação”

Next post

boa noite

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.