EducaçãoPesquisa

Pesquisa coordenada pela Univasf descobre nova espécie de anfisbena (cobra-de-duas-cabeças) no sertão baiano

Renata Freitas/Univasf

Uma nova espécie de réptil da Caatinga, da família das anfisbenas, popularmente conhecidas como cobras-de-duas-cabeças, foi identificada e descrita por uma equipe de pesquisadores da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa). O nome científico da nova espécie é Amphisbaena acangaoba e ela foi descoberta na região dos municípios de Umburanas e Sento Sé, na Área de Proteção Ambiental Boqueirão da Onça, na Bahia.

A pesquisa para descrição da nova espécie foi coordenada pelo professor do Colegiado de Ciências Biológicas da Univasf, Leonardo Ribeiro; com a participação dos pesquisadores Henrique Caldeira Costa, da UFJF, que na época era pós-doutorando na Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais (MG); e Samuel Campos Gomides, da Ufopa. O trabalho sobre a descoberta da nova espécie foi publicado na edição de janeiro do periódico internacional Journal of Herpetology, editado pela Sociedade para o Estudo de Anfíbios e Répteis (Society for the Study of Amphibians and Reptiles – SSAR), considerada a maior sociedade herpetológica internacional, cuja sede é nos Estados Unidos. O artigo também pode ser acessado por este link.

A nova espécie caracteriza-se por apresentar um conjunto de escamas no topo da cabeça, que lhe dá a aparência abobadada, aspecto pelo qual lhe foi atribuído o nome acangaoba, uma palavra na língua Tupi que se refere aos adornos usados na cabeça pelos indígenas brasileiros, um capacete, por neologismo. Por este motivo também a Amphisbaena acangaoba foi popularmente chamada pelos pesquisadores de anfisbena-de-capacete. O nome científico da Amphisbaena acangaoba foi registrado no ZooBank, site internacional para registro de nomes na área de Zoologia.

A descoberta da anfisbena-de-capacete foi possível devido à coleta de diversos indivíduos dessa espécie em estudos de impacto e de monitoramento ambiental realizados nas obras para implantação de uma usina eólica, na região da APA Boqueirão da Onça (BA). Em 2018, foram encaminhados à Coleção Herpetológica da Univasf 31 animais coletados naquela área. Após estudos preliminares, o professor Ribeiro constatou que se tratavam de anfisbenas, mas suas características taxonômicas não conferiam com nenhuma outra espécie descrita anteriormente.

Entre as características utilizadas na identificação da nova espécie de anfisbena destacam-se a contagem dos anéis do corpo e cauda do animal, a forma das escamas da cabeça e o número de poros pré-cloacais. Este último, segundo Ribeiro, é um caráter taxonômico importante na identificação de anfisbenas. O holótipo, nomenclatura dada ao indivíduo utilizado pelos pesquisadores para descrever a nova espécie, encontra-se na Coleção de Herpetofauna da Univasf, no Centro de Conservação e Manejo de Fauna da Caatinga (Cemafauna), junto com outros 22 indivíduos, chamados de parátipos, que também foram utilizados no estudo. Os outros oito parátipos foram doados à coleção de Herpetofauna da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que também colaborou com a pesquisa.

O professor Leonardo Ribeiro destaca que é muito gratificante descrever uma nova espécie. “Especialmente na Caatinga, que muitos consideravam ser pobre em répteis e anfíbios, essa descoberta é ainda mais relevante, pois estamos comprovando a riqueza da fauna de répteis presentes neste bioma”, observa.

Apesar de serem conhecidas como cobras-de-duas-cabeças, as anfisbenas não são cobras, não têm duas cabeças e também não são venenosas. As anfisbenas, cujo nome origina-se do grego e significa “que anda para os dois lados”, estão classificadas no grupo dos Squamata, répteis escamosos, que incluem também lagartos e serpentes. São animais de hábitos subterrâneos e a maioria é de pequeno porte, com menos de 15 centímetros de comprimento. As anfisbenas se alimentam de insetos artrópodes, como formigas, cupins, larvas de besouros e também de minhocas.

De acordo com a edição mais recente da publicação Herpetologia Brasileira, da Sociedade Brasileira de Herpetologia, o Brasil conta com 842 espécies e subespécies de répteis, entre eles há 799 Squamata, dos quais 75 são anfisbenas, 282 são lagartos e 442, serpentes. Na Caatinga, já foram descritas 27 espécies de anfisbenas, destas, duas foram identificadas e descritas pelos pesquisadores.

Amphisbaena acangaoba é a segunda espécie de anfisbena descoberta, em menos de dois anos, pelos professores Leonardo Ribeiro, Henrique Costa e Samuel Gomides. A primeira foi a Amphisbaena kiriri, também encontrada na APA Boqueirão da Onça, no município de Campo Formoso (BA). “As duas espécies são endêmicas, isto é, só ocorrem no bioma Caatinga e naqueles municípios onde foram encontradas, porque têm capacidade de dispersão mais limitada”, afirma Ribeiro.

O professor Ribeiro ressalta a importância da realização dos estudos de impacto e de monitoramento ambiental em empreendimentos que interfiram no ambiente natural. “Em um momento em que se discute um relaxamento das leis ambientais no país, como é o caso do Projeto de Lei N˚ 3.729/04, estas descobertas indicam a necessidade de mais investimentos para inventariar nossa biodiversidade e a necessidade de entender como os empreendimentos podem afetar as espécies”, diz.

Ribeiro sugere a continuidade dos estudos sobre as anfisbenas, acangaoba e kiriri, para verificar se a presença destas espécies é abundante ou rara na região, que, em abril de 2018, tornou-se oficialmente parte da Área de Proteção Ambiental Boqueirão da Onça, um tipo de unidade de conservação que permite ocupação humana e outras atividades como agropecuária e até a construção de usinas. “O local fica a poucos quilômetros do também recém-criado Parque Nacional do Boqueirão da Onça, uma área de proteção integral, ou seja, que deve ficar totalmente preservada. Apenas com novos trabalhos na região será possível afirmar se esses répteis também habitam o parque”, conclui.

Previous post

Prefeito de Juazeiro se reúne com agricultores da comunidade Baraúna e garante doação de prédio para Cooperativa

Next post

Petrolina divulga nota técnica para orientar profissionais de saúde e população sobre novo coronavírus

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.