Política

Bolsonaro ironiza protesto por impeachment: “Carreata monstro: 10 carros”

O presidente Jair Bolsonaro ironizou o tamanho de carreatas contra seu governo realizadas no fim de semana. A declaração foi feita em frente ao Palácio da Alvorada, residência oficial do chefe do Executivo, em resposta a um apoiador que disse ser de Campo Grande (MS).

Campo Grande? Eu vi uma carreata monstro lá de uns 10 carros contra mim”, disse, sorrindo. Esse foi o único comentário de Bolsonaro sobre os protestos registrados em pelo menos 21 capitais brasileiras e o Distrito Federal.

No sábado (23.jan), os movimentos de esquerda Frentes Brasil Popular e Povo sem Medo, com apoio da CUT (Central Única dos Trabalhadores), convocaram manifestações em 45 cidades. O MBL (Movimento Brasil Livre) e o Vem pra Rua, movimentos de direita, promoveram carreatas no domingo (24.jan). Em Brasília, o movimento levou cerca de 500 carros às ruas para um protesto pacífico, segundo a Polícia Militar do Distrito Federal.

Na conversa com apoiadores, divulgada em um canal do YouTube, o presidente disse novamente que decidirá até março se continua investindo na criação do Aliança pelo Brasil ou se optará pela filiação a um partido já existente.

“Em março, a gente vai reestudar se o partido decola ou não. Se não decolar, a gente vai ter que ter outro partido. Então não temos como nos preparar para as eleições de 22.

Bolsonaro, atualmente sem partido, já havia determinado esse prazo para decidir sobre sua filiação. Disse nesta 2ª feira que não está em campanha para as próximas eleições presidenciais, mas que “o pessoal quer disputar”  filiado a um partido que tenha a sua “simpatia”.

“É muita burocracia, é muito trabalho, certificação de fichas, depois passa pelo TSE [Tribunal Superior Eleitoral] também. O tempo está meio exíguo para gente. Não vamos deixar de continuar trabalhando, mas vou ter que decidir. Não é por mim, não estou fazendo campanha para 22”, disse.

QUEDA DE POPULARIDADE

Nesta 2ª feira, o vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, disse que a queda na avaliação do presidente Jair Bolsonaro está associada a um “momento de bastante ruído” em torno de duas questões: a vacinação contra a covid-19 e o agravamento da pandemia em Manaus (AM).

O número 2 do Executivo disse, porém, que o cenário será melhor quando ficar “esclarecido” o trabalho que o governo tem feito tanto no plano de imunização quanto na contenção da crise na capital do Amazonas.

O governo está fazendo o possível e o impossível para ter um fluxo contínuo [na vacinação]. E também aquela questão de Manaus, no momento que isso for esclarecido, acho que diminui esse ruído”, disse a jornalistas ao chegar ao Palácio do Planalto.

O vice não citou pesquisas específicas, como a do Datafolha, que mostra aumento na proporção de brasileiros que rejeitam o trabalho do presidente Jair Bolsonaro

Previous post

DORMENTES CONCLUI VACINAÇÃO INICIAL CONTRA A COVID-19 EM PROFISSIONAIS DA SAÚDE

Next post

Com novas doses, Juazeiro amplia vacinação contra Covid aos profissionais da Atenção Básica

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.