Justiça

Ministro do STF alerta: Populismo que ronda democracia brasileira é antessala do golpe, diz Fachin

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin afirmou que o populismo totalitário é a “antessala do golpe“. Para ele, esse é um perigo que ronda a democracia brasileira. Fachin, que será o no presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) durante as eleições de 2022, é necessário preservar o sistema eleitoral brasileiro.

O populismo totalitário ronda a democracia brasileira. É fundamental esse alerta, porquanto é antessala do golpe“, disse o ministro em entrevista ao jornal Correio Braziliense, publicada nesta 2ª feira (10.mai.2021). “O mais grave é essa visão personificada do povo em contraste com as instituições. As eleições de 2022 trazem à tona um imperativo categórico: preservar o sistema eleitoral brasileiro“.

Na 5ª feira (6.mai) o presidente Jair Bolsonaro afirmou que, se o projeto que instituiu o voto impresso e auditável for aprovado no Congresso, será adotado no Brasil. “Se não tiver voto impresso, é sinal que não vai ter eleição! Acho que o recado está dado”, declarou em sua live semanal.

Fachin disse ainda que é preciso uma união em meio a diversidade. “Precisamos sair da crise sem sair da democracia“, afirmou. “O país não pode esperar mais“.

O ministro também comentou sobre a pandemia, que, para ele, apresenta diferentes emergências no Brasil. Fachin disse que a crise sanitária exige políticas públicas de saúde, enquanto que a crise social evidencia a necessidade de políticas sociais inclusivas, principalmente na área da educação. Já a emergência econômica precisa de políticas de igualdade “substancial“, com um “patamar mínimo de dignidade existencial“.

Mas Fachin afirmou que há também uma crise de gestão que, para ele, só será resolvida com ações coordenadas entre o Estado e a sociedade. “Não há uma única bula, cada povo, sociedade, Estado e governos devem encontrar, dentro da vida aberta e plural, seus caminhos.

O ministro defendeu a vacina como uma forma de garantir o direito universal e gratuito à saúde durante a pandemia. Mas ele vê a humanidade dividida entre o desejo e o querer. “[A humanidade] Depende racionalmente da ciência e, ao mesmo tempo, quiçá há quem sonhe com soluções mágicas“, disse.

Para o ministro, a pandemia trouxe um momento de luto e tensão permanentes. Fachin também vê uma “recessão democrática e de indicadores contundentes de barbárie“. Para ele, com mais de 400 mil mortos pela covid-19 e a operação que terminou com 29 mortos em Jacarezinho, no Rio de Janeiro, é preciso reconhecer as falhas e as tragédias.

As funções públicas precisam estar à altura desses desafios, começando por reconhecer as falhas e as tragédias, senão colapsaremos, e a vida será mesmo absurdamente descartável.

Previous post

Com requalificação da Avenida Adolfo Viana e centro, Juazeiro ganha mais mobilidade urbana

Next post

Juazeiro e FNDE ofertarão curso online sobre políticas públicas na área de Educação

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.