PolíciaPolítica

PF indicia Fernando Bezerra, líder de Bolsonaro no Senado, por corrupção

Propinas de R$ 10 milhões enquanto era ministro

PF (Polícia Federal) indiciou nesta 3ª feira (8.jun.2021) o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), líder do Governo Jair Bolsonaro no Senado.

Ele é acusado de receber R$ 10 milhões em propinas pagas por empreiteiras entre 2012 e 2014, período em que atuou como ministro da Integração Nacional no governo Dilma Rousseff (PT).

O filho do senador, o deputado federal Fernando Bezerra Coelho Filho (DEM-PE) também foi indiciado. A PF pediu que o STF (Supremo Tribunal Federal) decrete o bloqueio de R$ 20 milhões dos congressistas. O relatório com a conclusão das investigações foi levado à Corte em 31 de maio.

Com base em todas as evidências coligidas aos autos e devidamente explicitadas nesta peça, concluímos haver provas suficientes da materialidade de diversas práticas criminosas nos eventos investigados neste inquérito, notadamente com relação à prática dos delitos de corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, associação criminosa, falsidade ideológica e omissão de prestação de contas“, afirmou a delegada Andréa Pinho Albuquerque Cunha, responsável pelo relatório.

Segundo a investigação, Fernando Bezerra Coelho teria recebido R$ 10,4 milhões em propinas para atuar em favor das empreiteiras OAS, Barbosa Mello e Constremac de 2012 a 2014. As vantagens indevidas seriam contrapartidas por contratos firmados pelas empresas com o Ministério da Integração Nacional.

O recebimento de tais valores ocorreu por um intrincado esquema de movimentação financeira ilícita, como também ocultação de ativos obtidos por meio criminoso, com a crível finalidade de integrar patrimônio adquirido de forma escusa e dificultar a persecução de dados informativos que descortinem tais fatos“, disse a PF.

Outra frente de investigação mirou supostos crimes eleitorais cometidos por Fernando Bezerra Coelho no mesmo esquema. De acordo com a PF, foram observadas evidências de que o senador e o seu filho mantiveram “contabilidade paralela” à oficial nas eleições de 2012 e 2015.

Dessa forma, acredita-se que os elementos ora coligidos constituem prova de verdadeiro abuso de poder econômico por parte dos parlamentares investigados, razão pela qual requeremos o compartilhamento da presente investigação e de todas as medidas cautelares a ela atreladas com a Procuradoria Geral Eleitoral para ciência e adoção das providências que entender pertinentes“, escreveu a PF.

Em nota, os advogados André Callegari e Ariel Weber, que defendem Fernando Bezerra Coelho, afirmaram que o relatório final do inquérito é uma “opinião isolada” de seu subscritor.

“Essa investigação, nascida das palavras falsas de um criminoso confesso, é mais uma tentativa de criminalização da política, como tantas outras hoje escancaradas e devidamente arquivadas”, afirmam

Previous post

Comissão da Câmara aprova plantio de maconha; texto deve ir a plenário

Next post

boa noite

farnesio

farnesio

Petrolinense/Juazeirense de Arapiraca-Alagoas, é radialista com passagens pelas Rádios Jornal do Comércio de Garanhuns e Petrolina, Novo Nordeste de Arapiraca, Emissora Rural, Grande Rio AM e FM de Petrolina, Radio Cidade, Nova Indy e atualmente é âncora do Programa Bastidores da Notícia na Rádio Tropical SAT/FM de Juazeiro e editor do BlogQSP.